sábado, 26 de abril de 2008

Mar Sem Fim - página 77

Um homem precisa viajar. Por conta própria, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar do calor. E o oposto.
Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos , e não simplisente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplismente ir ver.
Não há como admirar um homem - Cousteau, ao comentar o sucesso do seu primeiro grande filme: "Não adianta, não serve para nada, é preciso ir ver". É preciso ir toca-lo.

Um comentário:

Magna Ivo Minikowski disse...

Será?
"Vi" perfeitamente a batalha daquela noite!
:D

Desculpe não comentar nos últimos, semana de provas, foi complicado!